Brasil libera 5000 vezes mais agrotóxicos que a Europa

Um estudo inédito revelou o abismo que existe entre a legislação brasileira e a da União Europeia sobre o limite aceitável de resíduos de agrotóxicos na água e nos alimentos.
A contaminação da água é o que mais chama a atenção, com a lei brasileira permitindo um limite 5000 vezes superior ao máximo que é permitido na água potável da Europa.
No caso do feijão e da soja, a lei brasileira permite o uso do agrotóxico no cultivo de quantidade 400 e 200 vezes superior ao permitido na Europa.
Estes são os resultados contidos no estudo denominado Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, da pesquisadora Larissa Mies Bombardi, do Laboratório de Geografia Agrária da Universidade de São Paulo.
Porque o governo brasileiro não usa os parâmetros de agrotóxicos usados no Exterior, se mais benéficos à saúde da população?
Enquanto a União Europeia limita a quantidade máxima que pode ser encontrada do herbicida glifosato na água potável em 0,1 miligramas por litro, no Brasil esse limite é 500 vezes maior.
No arroz, a quantidade de agrotóxico (2.4-D), no Brasil é de 0,2 mg/kg enquanto que na União Europeia é de 0,10 mg/kg; na Soja, no Brasil é de 1,00 mg/kg para 0,05 mg/kg na UE; no milho, (atrazina), no Brasil é de 0,25 mg/kg para 0,05 mg/kg na UE; nos citros, (acetato), no Brasil é de 0,20 mg/kg para 0,01 mg/kg na UE, no feijão, (melationa), no Brasil é de 8,00 mg/kg e 0,02 mg/kg na UE.
Segundo o estudo, o Brasil tem 504 agrotóxicos de uso permitido, dos quais, 30% são proibidos na União Europeia.
O agrotóxico acetato utilizado nas plantações de cítricos, segundo nota técnica da ANVISA, ocasiona em adultos a síndrome intermediária, a qual ocasiona a fraqueza muscular dos pulmões e do pescoço.
Uma pesquisa realizada pela Fiocruz estima que, entre 2007 e 2014, mais de um milhão de brasileiros foram intoxicados por agrotóxicos, sendo 1/5 de crianças e adolescentes.
Em 2015, o Governo deixou de publicar os casos de intoxicação por agrotóxico.
Cerca de 8 brasileiros são contaminados por agrotóxicos por dia, sendo que, de cada caso notificado, estima-se que cerca de 50 não sejam.
Desde 2008, o Brasil é o país campeão mundial ao uso de agrotóxicos, sendo que consumimos cerca de 20% do que é comercializado no mundo.
No RS, PR, GO, MT o consumo do herbicida glifosato fica entre 9kg e 19kg por hectare. As análises feitas com animais comprovam que a exposição ao produto causou câncer de mama, necrose de células e reduziu o tempo de vida das cobaias.
Em Setembro deste ano, a França anunciou que banirá o glifosato até 2022.
O glifosato é o líder de vendas no Brasil. Na Europa seu uso é permitido até 2 kg de glifosato por hectare, e no Brasil de 5 kg a 9 kg.
Entre 2009 e 2014, o consumo do glifosato subiu 64% no país, de 118 mil toneladas para 194 mil toneladas, tendo o estado do Mato Grosso, liderado as compras do agrotóxico.
No Brasil, as empresas produtoras de agrotóxicos, se valem da política de incentivos, que têm 60% de desconto no ICMS entre outros benefícios.
Segundo o estudo, os trabalhadores rurais são as principais vítimas da contaminação pelos agrotóxicos, seguidos das pessoas que vivem em regiões próximas das plantações. O último elo da cadeia de contaminação é o consumidor final do produto.