Brasil não possui cidade sustentável

Uma análise das moradias e das áreas em que elas estão localizadas, em todo o Brasil, mostra que o país está longe de ter cidades sustentáveis, segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, que definiu que a proliferação de ocupações irregulares e de domicílios com infraestrutura inadequada são questões que potencializam os problemas das grandes cidades.
Numa área de grande concentração populacional, o impacto sobre o urbano proporcionalmente é muito maior do que naqueles com menor número de habitantes, que se encontram mais distribuídos pela região.
Todavia, nas grandes cidades, temos os maiores percentuais de domicílios adequados, seja na coleta de lixo, seja no saneamento básico, mas existe grande quantidade de domicílios com infraestrutura inadequada, o que é potencializado pelo excessivo número de habitantes que vivem na mesma área.
Infelizmente, no Brasil estamos longe de ter cidades sustentáveis.
Questões como mobilidade, acessibilidade, destinação de resíduos, adequação dos domicílios, democratização do acesso da população à gestão de espaços públicos, insignificante participação das mulheres nas estruturas de poder e de decisão entre outros fatores mostram que estamos longe da mínima sustentabilidade desejável.
Uma alternativa para a busca da sustentabilidade seria priorizar o tratamento do esgoto doméstico. Outra seria incrementar a educação ambiental nas escolas públicas, para gerar, nas futuras gerações, uma consciência ambiental, que hoje inexiste na maioria da população brasileira, infelizmente. Ainda, o incremento do sistema de coleta seletiva eficiente, contribui, também, para a sustentabilidade das cidades brasileiras.